WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

GANDU AO LÉU… NECOMIGO NÃO… LAMBEDORES DE SACO E TESTÍCULOS DO PREFEITO, ESCREVEM NAS REDES SOCIAIS QUE FOI ZEBRÃO QUEM CRIOU A TAXA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA NA CIDADE. MENTIRA! FOI NECO KANGUÇU…

.

Tomamos conhecimento no dia de ontem, que alguns desocupados que recebem da prefeitura sem trabalhar, mas que retribuem o que recebem, lambendo o saco e o testículo do prefeito Léo de Graça, postaram nas redes sociais, que foi no governo de Zebrão, que foi instituída a Contribuição da Iluminação Pública na cidade de Gandu, que ao ser aprovada, levou o pomposo nome de CONTRIBUIÇÃO PARA CUSTEIO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA, mudando depois para TAXA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA-TIP, que foi considerada inconstitucional, então mudaram o seu nome de TAXA para Contribuição.
Queremos deixar bem claro, se estivermos errados que nos corrijam, a referida taxa seja lá o nome que tenha, foi instituída no governo do ex-prefeito Manoel Dantas Cardoso, através do Projeto de Lei Complementar Nº. 003/2003, de 10 de outubro de 2003 e aprovada pela Câmara de Vereadores em 08 de dezembro de 2003.
Saliente-se que em 2002, o presidente Bagatine, atendendo aos apelos do prefeito, tentou colocar em votação, mas devido ao movimento encabeçado pelos vereadores Nara e Emetério junto às Igrejas Evangélicas, Uziel e Jú junto a outras instituições como a CDL e principalmente junto aos estudantes, sentindo que não havia ambiente para votação, o presidente devolveu o projeto.
Vem a eleição para presidência da Câmara, Bagatine foi reeleito, segundo dois vereadores, com o compromisso de colocar em votação um novo projeto para cobrar a Iluminação Pública, tendo por isso mesmo, recebido o apoio do prefeito e dos seus liderados.
Em 08 de dezembro de 2003, em Primeira e Segunda Discussão e votação englobadamente, dispensando assim o interstício de Lei, foi votado Projeto de Lei. A votação dos vereadores foi a seguinte:
Favorável à cobrança da Taxa, votaram os vereadores Lolô, Dr. Benedito, Chicurinha, Roque Melo, Virgilio Barbosa, Almir Oliveira e Bozó, que havia assumido como primeiro suplente da coligação, no lugar do vereador Reis, que assumiu a Secretaria de Agricultura. Sete votos favoráveis. Como não houve empate, o presidente Bagatine não precisou usar o voto de Minerva.
Contrários ao Projeto votaram os CINCO seguintes vereadores:

Uziel, Jú, Nara, Emetério e Silvio Guedes.

O vereador Silvio era o segundo suplente, mas havia assumido o lugar do vereador Vivaldo Umburanas que era o primeiro, que faleceu, mas que havia assumido a vaga do vereador Agenor Lemos, em virtude também do seu falecimento.
Portanto, antes de postar as merdas nas redes sociais, as pessoas procurem pesquisar, perguntar a quem sabe, para não escrever besteiras e imbecilidades.
A TIP, CIP ou outra sigla qualquer, que é cobrada mensalmente junto à conta de consumo de energia de TODO consumidor, foi criada no governo do então prefeito Manoel Dantas Cardoso.
Não é querendo livrar a cara do nosso amigo Bozó, mas ele como suplente de um vereador licenciado, se votasse contra, perderia a sua vaga, porque o secretário Reis voltaria ao mandato. Bem diferente de Silvio Guedes, pois quem ele estava a substituir, não poderia voltar para reclamar o seu lugar.
Salientamos mais uma vez, que se tivermos equivocados com alguns nomes, estaremos prontos para fazer a devida retificação.

.

Comentários estão fechados.