WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

MENTIRA NA INFÂNCIA – Pelo Prof. Zenildo – ZOOM

.

Faça a experiência de lembrar momentos da infância em que você mentiu para alcançar um objetivo ou evitar um castigo. Pensou? Pois é, omitir a realidade ou criar situações fantasiosas é muito comum para as crianças; o uso da mentira é algo que assusta os pais, até porque nem sempre é possível avaliar o que é dito.
A mentira implica alguma intencionalidade e está normalmente associada, sobretudo a dois aspetos: evitar castigos, desiludir o outro, ou conseguir algo que deseja muito.
A imaginação da criança é muito aflorada, por isso a fantasia é um recurso frequente nos discursos. Imaginar que está conversando com seres encantados ou dá vozes aos bonecos não é sinônimo de problemas mentais. Digamos que seria uma mentira necessária para a construção da identidade infantil.
A mentira frequente pode estar associada a sofrimento emocional e constitui um padrão de comportamento desadequado. É importante lembrar, que por volta dos 6 anos, as crianças já têm capacidade para distinguir claramente o verdadeiro do falso. O recurso à punição e ao castigo deve ser evitado, visto que reforça a tendência para utilizar a mentira como estratégia de evitamento; antes se deve reforçar a relação de confiança, assegurando à criança que, por muito mau que tenha sido o comportamento, o importante é que ela seja capaz de partilhar com os adultos para que estes possam ajudá-la.
No lar, a criança deverá encontrar exemplos de honestidade que reflita atitudes de sinceridade.
É ideal que os pais estabeleçam limites e expliquem a diferença entre a fantasia e a realidade. E quando a criança quebrar algum objeto e for questionada, se a resposta for uma omissão da verdade, é preciso explicar a consequência do ato em si, para que ela comece a entender as consequências da mentira.

(Zenildo Santos Silva, Bacharel em Psicologia, especializado em Psicopedagogia; licenciado em Letras Vernáculas pela UNEB. Atende no AEE – Atendimento Educacional Especializado, no acompanhamento de crianças com necessidades especiais)
.

Comentários estão fechados.