WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

O MELHOR CUSTO-BENEFÍCIO ENTRE OS SUVS MÉDIOS: CAOA CHERY TIGGO 7

.

Está cada vez mais difícil encontrar ótimas oportunidades de negócio nas concessionárias pelo Brasil. Muitas montadoras vendem veículos caros e sem todos os equipamentos que o consumidor brasileiro merece. Basta ver como alguns fabricantes cobram preços altíssimos por carros que não contam com teto-solar nem como opcional. Imagine, então, se esse tipo de marca vai disponibilizar equipamentos como câmera 360º e bancos de couro de série.
Mas há uma solução para quem busca um SUV médio, com amplo espaço para a família, excelente nível de equipamentos e sem cobrar nada a mais por isso. Estamos falando do CAOA Chery Tiggo 7, modelo que se destaca no segmento em especial pelo custo-benefício, como veremos adiante.
Para contextualizar, o Tiggo 7 passa a ser oferecido em apenas uma versão, a TXS. Em 2019, quando foi apresentado, o utilitário esportivo vinha em duas versões. Mas o fato de ter apenas uma versão não é ruim. Pelo contrário: a CAOA Chery manteve somente a versão topo de linha, com todos os equipamentos, e você não vai sentir falta da versão básica porque, a TXS, é muito completa — bem mais que os concorrentes.
DESIGN SEM IGUAL
E por falar nisso, o Tiggo 7 é um dos carros mais imponentes e com design mais agressivo entre os concorrentes. Começando pela grade com o logo da CAOA Chery já dá para perceber que o SUV médio tem muito requinte e esmero com o acabamento em black piano e um formato que agrada muito visualmente. O efeito tridimensional da grade é um dos pontos fortes na dianteira do Tiggo 7.
Unindo o logo da fabricante aos faróis há um filete cromado que se estende de ponta a ponta, atravessando a grade, dando a impressão de um veículo largo e robusto. O cromado que se estende até a parte interna dos faróis recebe um complemento também na parte interna da peça. Já as luzes de rodagem diurna, conhecidas pela sigla em inglês DRL, são de LED e dão um toque especial para a dianteira.
Outro item de destaque é o farol de neblina, que tem a tecnologia “cornering light”, ou seja, ilumina a via do lado direito ou esquerdo — dependendo do ângulo da direção ou do acionamento da luz de direção — para que o motorista consiga enxergar com mais clareza na hora de fazer uma curva.
Para completar a imponência do utilitário esportivo, além da linha de cintura alta que confere segurança para motorista e passageiros, o carro conta com rodas de 18 polegadas de liga leve e os freios são a disco nas quatro rodas, para deixar o carro totalmente na sua mão. Freios muito mais potentes que os do Toyota Corolla Cross XR, por exemplo, que vem equipado com uma tecnologia antiga: freios a tambor no eixo traseiro.
E aqui já começamos a ver as vantagens ao escolher o Tiggo 7. As rodas são uma polegada maiores do que as presentes no Jeep Compass Sport e Toyota Corolla Cross XR, concorrentes do CAOA Chery Tiggo 7 em suas versões de entrada.
As lanternas, por sua vez, são afiladas e conferem um aspecto mais dinâmico para a parte traseira do SUV. Isso porque a luz de ré fica posicionada na extremidade do parachoque e, logo abaixo, dois elementos de design formam a dupla saída de escape, o que dá uma apimentada ao design elegante do utilitário.
Quando se fala sobre as dimensões externas, encontramos outro grande trunfo do Tiggo 7. No comprimento são 4,50 metros, ou seja, 10 cm a mais que o Jeep Compass. Na largura são 1,83 m; 1,67 m de altura, o que dá 5 cm a mais que o Volkswagen Taos Comfortline — outro concorrente deste segmento — e 2,67 metros de distância entre-eixos.
O entre-eixos é 4 cm maior que o do Jeep Compass e isso se reflete no ótimo espaço interno e no volume do bagageiro: são 414 litros de espaço para as malas.
Além de ter um ótimo acabamento, com forração nas laterais, parte interna da porta e um enorme porta-objetos escondido abaixo do assoalho acarpetado, o porta-malas conta com iluminação e ganchos para sacolas. Assim é possível deixar tudo muito bem organizado no porta-malas. Outra facilidade é que o assoalho é plano, o que ajuda na tarefa de tirar ou colocar malas mais pesadas.
ESPAÇO DE SOBRA 59

Na cabine, principalmente no banco traseiro, dá para perceber que o SUV tem muito espaço para todos os ocupantes. Seus 2,67 metros de entre-eixos proporcionam bom espaço para as pernas. Mesmo com o amplo teto-solar panorâmico, a acomodação com conforto para cabeça e ombros dos três passageiros na segunda fileira de assentos é garantida no Tiggo 7.
Além disso, há descansa-braço com porta-copos na posição central do encosto, outro item de conforto e comodidade de série. E para que ninguém brigue por uma tomadinha USB, o CAOA Chery Tiggo 7 já disponibiliza duas entradas voltadas para os passageiros da segunda fileira de bancos no encosto do console central, que conta ainda com saídas de ar-condicionado.
Um equipamento fundamental para carros desta categoria são os bancos com revestimento premium! E eles são de série no Tiggo 7. Já os rivais cobram — e muito — por esse item. No Jeep Compass Sport, que chega a ser mais de R$ 11 mil mais caro que o SUV da CAOA Chery, os bancos com o material em questão são opcionais e custam R$ 2.583.

Já no VW Taos, os assentos mais sofisticados também fazem parte da lista de opcionais e custam a bagatela de R$ 5.570. E a lista de equipamentos de série do CAOA Chery Tiggo 7 é imensa. Confira os principais:
– Faróis com ajuste de altura;
– Volante revestido de couro e multifuncional;
– Computador de bordo com tela de 4,8”. O Jeep Compass tem tela de apenas 3 polegadas e meia;
– Freio de estacionamento eletrônico com função Auto Hold;
– Ar-condicionado automático, digital e dual zone. No VW Taos Comfortline, que custa R$ 20 mil a mais, o ar-condicionado é analógico e de uma zona;
– Banco do motorista com seis ajustes elétricos e regulagem de lombar. Tanto Compass quanto Taos e Corolla Cross, nas versões de entrada, possuem regulagens do banco do motorista na manivela, ajuste bastante ultrapassado para carros desse segmento;
– Há ainda teto-solar panorâmico. O Taos sequer oferece teto-solar como opcional na versão inicial;
– Câmera 360º, item indisponível nos três concorrentes citados;
– E, para segurança, há seis airbags: dois frontais, dois laterais e dois de cortina.
A dianteira segue a mesma filosofia com muitos porta-objetos espalhados pela cabine. Há porta-garrafas, porta-copos, três lugares para acomodar o celular e ainda um enorme baú entre os bancos. Existe ainda um outro porta-objetos que fica escondido, onde você pode acomodar o seu celular sem chamar a atenção de quem passa ao lado do carro. E é junto a este compartimento para o celular que fica a entrada USB para conectar o celular ao multimídia, tudo pensado para manter a segurança.
No quesito acabamento a CAOA Chery caprichou! São quatro tipos de material, com destaque para os plásticos de excelente textura e o belo design da cabine.
O volante tem todas as funções que o motorista necessita, e o computador de bordo é completíssimo: tem informações sobre pressão dos pneus, consumo de combustível e dá até para programar uma pausa para o café durante viagens mais longas.
O banco do motorista tem formato perfeito, que abraça quem dirige e isso traz, além da sensação de segurança, um prazer de dirigir que é primordial para carros acima dos R$ 100 mil. Outro ponto positivo do Tiggo 7 é que todas as luzes da cabine são de LED. Já essa central multimídia de 9 polegadas é um capítulo à parte!
Ela tem conectividade com Android Auto e Apple Car Play. Através dela dá para selecionar os comandos do ar-condicionado e conferir a câmera 360°, que mostra o perímetro completo do carro. Câmera frontal e de ré fazem parte do conjunto de auxílio para estacionamento, além de sensores dianteiros e traseiros. Outro fator que colabora com a segurança enquanto guiamos o Tiggo 7 é que a central mostra, ao acionar a seta para a direita ou para a esquerda, a imagem da câmera correspondente. Isso diminui a possibilidade de bater em um veículo que esteja no ponto cego. Esse auxílio serve para fazer baliza.
FÔLEGO E AGILIDADE

O motor do CAOA Chery Tiggo 7 é o 1.5 turbo de quatro cilindros que entrega até 150 cv com etanol e 147 cv com gasolina. Já o torque fica na casa dos 21,4 kgfm com ambos combustíveis. A transmissão é automatizada de dupla embreagem, uma garantia de trocas rápidas. O câmbio automatizado tem a mesma tecnologia de carros esportivos. As trocas são feitas em milissegundos, o que traz agilidade sem igual para o utilitário. E isso é uma grande vantagem quando comparado aos concorrentes, que têm câmbio automático tradicional de seis marchas ou CVT.
A vantagem deste câmbio é tão grande que a aceleração de 0 a 100 km/h do CAOA Chery Tiggo 7 é feita em 11,5 segundos, um ótimo desempenho para um carro que pesa 1.500 quilos.
Mas é dirigindo que se percebe duas qualidades para quem enfrenta o trânsito das cidades diariamente: o primeiro é que a suspensão é um primor! Ela proporciona ótimo controle do carro, sem ser rígida. Isso acontece porque o conjunto dianteiro é McPherson e o traseiro é multibraço, ou seja, proporciona conforto e esportividade quando exigida. E esse é outro grande benefício com relação ao Corolla Cross. O carro da Toyota tem suspensão bastante ultrapassada na traseira: eixo de torção.
E tive uma prova da qualidade do conjunto de amortecedores do Tiggo ao passar num drive-thru e comprar um chá. Foi com o copo cheio que coloquei no console central, passando em buracos e valetas, que percebi o acerto perfeito do carro. Não derramou uma única gota!
E para completar o prazer ao dirigir, a empunhadura do volante é primorosa e, com todos os ajustes elétricos do banco, fica fácil encontrar a melhor posição para guiar. E por falar em dirigir, as médias de consumo com etanol, na cidade, giram em torno de 6,6 km/l. Já com gasolina as médias sobem para 9,7 km/l. Nas rodovias o consumo é ainda mais baixo: 7,6 km/l com etanol e 10,9 km/l com gasolina.
O MELHOR NEGÓCIO DA CATEGORIA
O Tiggo 7 custa R$ 139.990 e vem muito completo. Já os rivais deixam a desejar no quesito preço: o Toyota Corolla Cross parte de R$ 146 mil, o que quer dizer que ele é R$ 6.000 mais caro que o Tiggo 7. Já o Jeep Compass tem preço inicial que é R$ 11 mil mais caro e o VW Taos chega a ser ainda mais salgado: a versão de entrada tem preço inicial de R$ 160 mil e não tem nem teto-solar como opcional.
Como se não bastasse, o Tiggo 7 ainda conta com uma ampla rede de concessionárias estrategicamente localizadas em todo o território nacional e que dispõe, em sua retaguarda, de um centro de distribuição de peças que garante atendimento sempre rápido e eficiente para todas as necessidades.
Só o Tiggo 7 tem preço de SUV compacto, mas tamanho, motor e equipamentos de SUV médio. Se você levar um desse para casa, é preciso tomar cuidado com apenas uma coisa: o olho gordo do seu vizinho.

.

Comentários estão fechados.