WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

PREÇO BAIXO DA COMMODITY INCENTIVA PRODUÇÃO DE CACAU PREMIUM, NA BAHIA

.

Diante da queda em um ano de quase R$ 100 na cotação da arroba do cacau commodity, o agricultor baiano só vê um caminho para ter lucro com a atividade: investir cada vez mais na produção de cacau fino para fabricação própria do chocolate ou para abastecer o mercado de chocolates premium, em ascensão no Brasil e no exterior. Nesse cenário, o cacau commodity, que ainda representa 80% da produção nacional, praticamente não recebe manejo e é entregue às indústrias sem fermentação.
“A indústria moageira não paga por qualidade. O manejo do cacau é uma atividade cara e totalmente manual que implica em novos plantios, poda, adubação, eliminação da vassoura de bruxa e da podridão parda. Devido ao baixo preço e ao alto custo de produção, a maioria só faz o essencial para colher o cacau e entregar na indústria”, diz Raimundo Mororó, gerente do conjunto de fazendas Riachuelo, que soma 2 mil hectares em Ilhéus (BA) e empregava 400 pessoas antes da pandemia. Hoje, tem menos de 100 funcionários.

Segundo Mororó, a instabilidade de preços nas fábricas é antiga, a arroba (15 kg) chegou a custar R$ 270 em maio de 2021, mas, desde então, o preço só caiu. Neste início de agosto, está cotada na Bolsa de Nova York equivalente a R$ 178.
Enquanto mostra um cacaueiro comum infectado pela vassoura de bruxa (praga que atingiu as lavouras da Bahia no final dos anos 80 e foi responsável pela maior crise do setor, derrubando a produção em até 70%), o gerente diz que a produtividade atual das roças da Riachuelo não passa de 50 arrobas por hectare e seria necessário pelo menos 60 arrobas para cobrir os custos de produção.
Na Riachuelo, Mororó é sócio-diretor da planta industrial de chocolates bean to bar (da amêndoa à barra) que leva a marca Mendoá, com uma fabricação de 400 kg de chocolate por dia, sendo 40% produção orgânica. A fazenda também exporta cacau fino para a produção de um chocolate de origem na França.
O técnico agrícola mineiro Carlos Tomichi, que, junto com a mulher Taís, comprou há dez anos 140 hectares de uma fazenda no município vizinho de Uruçuca, que fica na Estrada do Chocolate, diz que 65 arrobas por hectare já equilibram os custos, mas a maioria das propriedades da região de Ilhéus não está colhendo mais de 20 arrobas por hectare. “Vim para cá por uma oportunidade de investimento porque o preço da terra é bem mais baixo na comparação com outras regiões. Mas, tive que agregar valor ao negócio para torná-lo viável.”
Cerca de 70% dos 20 mil a 25 mil quilos de cacau produzidos por ano na fazenda Capela Velha são negociados com as três multinacionais moageiras de Ilhéus, Barry Callebaut, Cargill e Ofi (antiga Olam). O restante é vendido como cacau fino para empresas de chocolate em São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul.

Uma segunda renda vem do turismo rural na fazenda e da venda dos subprodutos do cacau, como mel, geleia, licor, melaço, nibs, chá e outros. “Ganho até duas vezes com o cacau. De cada arroba, eu tiro 8 litros de mel que se tornam produtos que geram uma renda semelhante à da amêndoa seca.”
Para viabilizar seu negócio, Tomichi também investiu em mudanças nos tratos culturais. Em vez de usar burros ou cavalos para recolher os frutos, abriu ruas nos corredores e passou a usar trator. Adensou a plantação e também reduziu a área de colheita para 5 hectares por vez, ou seja passa 8 vezes por ano em cada área colhendo o cacau que, graças aos clones, não tem mais safra fixa e produz o ano todo.
Na secagem das amêndoas, feita ao sol 100% do tempo pela maioria dos produtores, Tomichi usa muitas vezes um secador a gás com controle de temperatura. Também está investindo em uma máquina para quebrar o fruto. Com essas medidas, precisa de menos mão-de-obra e garante um melhor fluxo de caixa.
“A tecnologia do cacau está atrasada uns cem anos, está ainda está no século 19. A troca do transporte animal por mecânico otimiza a colheita, mas há uma barreira cultural muito forte na cultura. É preciso entender que precisamos de tecnologia para produzir mais e reduzir os custos, já que concorremos com o cacau da África, que é muito mais barato.”
A vantagem do cacau da região, diz ele, é a sustentabilidade da produção, que impacta o consumidor de chocolate. Tomichi cultiva 80 hectares de cacau no método tradicional cabruca, sob as árvores da Mata Atlântica, e no sistema agroflorestal (SAF) com cacau adensado, seringueira e açaí. Por enquanto, a fazenda tem apenas 20 hectares de SAF, mas o plano é investir mais nesse plantio para elevar a renda. A implantação de cada hectare de SAF custa R$ 40 mil, investimento que deve ser bancado por financiamento depois que o produtor conseguiu renegociar as dívidas da fazenda.
REFERÊNCIA

O baiano João Tavares, medalha de ouro três vezes no Cocoa of Excellence de Paris, maior referência do Brasil em amêndoas de qualidade e produtor de cacau fino na fazenda Leolinda, em Uruçuca, abastece chocolateiros de todo o mundo e grandes nomes internacionais da gastronomia. Ele afirma que os preços do cacau commodity impedem que o produtor invista no manejo e na renovação de suas lavouras com materiais clonais mais resistentes e mais adensamento.
“O preço do chocolate está cada vez mais caro e o do cacau não. Sem querer interferir no mercado, eu me pergunto por que essa insensibilidade das indústrias moageiras de pagar preços tão baixos por um produto de lavoura sem mecanização, que emprega tanta gente e tem uma responsabilidade ambiental tão grande. O mundo todo fala da necessidade de preservação e nós estamos fazendo isso com o cacau cabruca sem receber mais por isso”, diz Tavares.
Outro produtor que investe pesado no cacau fino é Pedro Magalhães Neto, terceira geração da família no comando da fazenda Lajedo do Ouro, em Ibirataia, a 140 km de Ilhéus. Atualmente, das 75 toneladas anuais produzidas, 60% vão para esse mercado premium. Embora exporte para Bélgica, França, Estados Unidos e Coreia do Sul, a maior parte das suas amêndoas fica mesmo no mercado interno.
“Exportar acaba ficando caro porque precisa de capital de giro”, diz Neto, que investe na produção de varietais separadas por áreas e obtém o triplo de preço da commodity com o cacau da variedade catongo, resultado de mutação genética espontânea do cacau para-parazinho (o tipo mais comum da região) que produz um chocolate mais claro e suave, com notas frutadas.
Uma de suas clientes é a Crismel Chocolaterie, de São Paulo. A dona, Cristina Bonadio, diz que foi conquistada pela qualidade do chocolate da Lajedo do Ouro. Antes, ela comprava a matéria-prima da Barry Callebaut.
Neto também fabrica o chocolate bean to bar da marca VAR desde 2017 em sua fazenda. No último ano, dobrou a capacidade da planta industrial para 200 kg por mês.

O empresário Marco Lessa, que promove festivais de chocolate e cacau na Bahia e no Pará desde 2009 e tem uma marca própria de chocolates, diz que o desafio para o produtor obter mais renda com a cultura é investir na criação de mercado para vender o cacau premium.
“Não adianta ele passar a produzir muito mais cacau fino se não tiver para quem vender. Tem que construir o mercado interno e externo, lembrando que o consumo de chocolate tem crescido no Brasil e no mundo, que a sustentabilidade da produção impacta o consumidor e que há dois mercados potenciais que ainda não consomem chocolate: Rússia e China.”
TURISMO
Além do cacau fino, o turismo rural ganha espaço na região de Ilhéus, que já foi a maior produtora mundial de cacau. A reportagem da Globo Rural visitou várias fazendas de cacau no final de julho na região e viu muitas roças com pouco ou nenhum manejo e produtores preocupados com a sustentabilidade financeira da cultura.
A Fazenda Vila Rosa, em Itacaré, por exemplo, já não fornece cacau para o mercado. A propriedade que pertenceu à família do coronel Juvenal Sampaio ficou muito tempo abandonada e foi recuperada pelo americano Alan Slesinger em 2004. Ele restaurou o casarão construído na década de 30 e transformou a propriedade em museu e ponto de turismo rural.
A pequena roça de cabruca de árvores velhas que se arrastam pelo chão recebe apenas cuidados básicos. O cacau colhido é usado para a fabricação na propriedade do chocolate bean to bar e de subprodutos, que são vendidos aos turistas na fazenda e em uma loja na rua mais movimentada de Itacaré.
Na fazenda Yrerê, de Gérson Marques e Dadá Galdino, o turismo também tem protagonismo. A propriedade produz 400 arrobas de cacau e recebe cerca de mil turistas por ano.

Turismo tem sido alternativa para os cacauicultores da Bahia para promover a produção (Foto: Eliane Silva/Ed. Globo)

INDÚSTRIAS
Questionada sobre o baixo preço da arroba, Anna Paula Losi, diretora-executiva da Associação Nacional das Indústrias Processadoras de Cacau (AIPC), que representa as três multinacionais, diz que o produto é negociado nas bolsas de NY e Londres, que são diretamente influenciadas pela relação entre oferta e demanda global, tanto de amêndoas, quanto de derivados.
“Sabemos que, por conta dos efeitos da pandemia de COVID-19 e também da guerra na Ucrânia, vários países estão sofrendo com aumento da inflação e consequente retração no consumo. Além disso, os mercados africanos, europeus e americanos, onde estão concentrados os maiores volumes de produção de cacau e de moagem, são os que influenciam a cotação nas bolsas.”
Segundo ela, no Brasil, além da cotação na bolsa, o mercado global e local e a cotação do dólar também influenciam o valor pago pelas indústrias de Ilhéus por arroba da amêndoa. “Para comparar, se o dólar estivesse em maio deste ano no mesmo patamar de maio de 2021, o valor da arroba estaria também próximo do preço praticado naquele ano.”
Em relação à política das empresas de não pagar ágio por um cacau de melhor qualidade, Losi diz que cada indústria tem sua política de compra e essa informação não é compartilhada no âmbito da associação.

A diretora considera que o segmento bean to bar tem um papel muito importante na diversificação de renda do produtor e vem crescendo, mas a indústria não crê que possa haver falta de matéria-prima para moagem. A produção nacional ainda é insuficiente para atender a demanda do mercado, o que leva a indústria a importar cacau da África.
“A cadeia tem trabalhado exaustivamente para aumentar a produtividade das áreas tradicionais, que hoje está em torno de 300 kg (20 arrobas) por hectare, o que ainda é muito baixa, mas há diversos projetos de expansão da produção para áreas não tradicionais, como o oeste da Bahia, Ceará, Mato Grosso, São Paulo entre outras regiões.”
Segundo a associação, a capacidade instalada de processamento de cacau no Brasil é de aproximadamente 275 mil toneladas. A média de recebimento de amêndoas de cacau dos últimos 5 anos foi de 170 mil toneladas, enquanto a média de moagem foi de 218 mil toneladas.
No primeiro semestre deste ano, a indústria processou 107.178 toneladas de amêndoas nacionais, volume 30% superior às 82.416 toneladas recebidas no mesmo período de 2021. Como consequência, importou 10 mil toneladas, volume 73,6% menor se comparado às 38 mil toneladas importadas nos seis primeiros meses de 2021.

Placa em fazenda identifica as variedades de cacau plantadas (Foto: Eliane Silva/Ed. Globo)

(Fonte: Globo Rural)
.

Comentários estão fechados.