WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia

COM REFINARIA PRIVADA, BAHIA TEM O DIESEL MAIS CARO DO PAÍS

.

O preço médio do diesel S10 na Bahia foi o mais alto de todos os Estados na semana passada, segundo pesquisa da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis): R$ 7,66 o litro.
Lá opera a Refinaria de Mataripe, a 1ª privatizada pela Petrobras, responsável pelo abastecimento no Estado, além de outros do Nordeste. A operação privada começou em dezembro de 2021.
O Poder360 levantou os preços desde janeiro deste ano, com base nas pesquisas semanais da agência reguladora, e fez a comparação com os levantamentos do mesmo período do ano passado, quando a refinaria era da Petrobras.
De janeiro até a 1ª semana de maio de 2021, os preços na Bahia apareciam de 23º a 16º mais caros, considerando-se todos os 26 Estados e o Distrito Federal. Ou seja, invertendo o ranking, o Estado figurava do 5º ao 12º lugares entre os preços mais baixos.
Neste ano, sob gestão privada, o Estado passou a ocupar do 16º ao 1º lugares com diesel S10 mais caro do país. Sendo que, em 72% das pesquisas, esteve entre os 8 preços médios mais altos.

BAHIA TEVE O DIESEL MAIS CARO NA ÚLTIMA SEMANA
POSIÇÃO DO ESTADO NAS 8 PRIMEIRAS SEMANAS DE CADA ANO, ATÉ A 1ª SEMANA DE MAIO

A refinaria de Mataripe passou da Petrobras para a Acelen, empresa criada pelo fundo árabe Mubadala para gerir o empreendimento. Os dados mostram que a transferência à iniciativa privada não necessariamente significa uma redução dos preços. Pelo contrário. Em dois momentos do período analisado neste ano — na semana do reajuste de 24,9% da Petrobras no diesel e na semana passada— o preço médio baiano desbancou o do Acre, que sempre ocupou o 1º lugar entre os preços mais altos.
BOLSONARO FAZ “CORTINA DE FUMAÇA”, DIZEM ESPECIALISTAS
Especialistas do setor de óleo e gás dizem que o anúncio da desestatização da Petrobras é uma “cortina de fumaça” do presidente Jair Bolsonaro (PL) em ano eleitoral e não resolve o principal problema, que é a sucessiva alta dos combustíveis, um dos fatores que mais têm alimentado a inflação.
Humberto Guimarães, engenheiro especialista em óleo e gás, define como “falácia” as declarações do governo sobre a privatização da empresa.
“Bolsonaro está jogando para a plateia dele. Ele quer esconder a falta de capacidade dele e do Paulo Guedes de controlar os preços dos combustíveis, o que, na verdade, ele não pode fazer porque haveria risco de desabastecimento. Só que ele não tem competência para explicar essa situação à população”, disse Humberto.
O engenheiro afirma que, considerando que a proposta precisa obrigatoriamente passar pelo Congresso Nacional e que este ano é eleitoral, não haveria tempo hábil para o processo ter efeitos práticos. Ele cita como exemplo o caso da privatização da Eletrobras, que começou a ser desenhada em 2019 e até hoje não saiu.
“Por mais urgente que seja, não há a menor possibilidade de nada ser privatizado este ano. E mais: veja o quadro que está sendo mostrado [da corrida eleitoral]. O Lula na frente e o Bolsonaro atrás. E o Lula dizendo que vai ‘abrasileirar’ os preços dos combustíveis”, afirmou Humberto.
Para Henrique Jager, pesquisador do Ineep (Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), o anúncio do novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, e do ministro Paulo Guedes, do início dos estudos de privatização da Petrobras, coloca o Brasil no caminho oposto do que países produtores têm feito.
“Se a gente for olhar o que está acontecendo no mundo, os governos estão mais intervencionistas. O que a gente vê na industria de óleo e gás é o aumento da participação do Estado. É uma reserva estratégica. Os países que têm reservas têm procurado ter um controle maior disso. E, no Brasil, o novo ministro, com discurso próximo ao do Paulo Guedes, vai em sentido contrário ao mundial”, disse Jager.
O pesquisador diz que o caso da Refinaria de Mataripe —antiga Rlam (Refinaria Landulpho Alves)— evidencia a possibilidade de, com a privatização da Petrobras, os preços subirem mais do que tem sido visto hoje.
“O discurso era que os preços iriam cair. O combustível na Bahia é o mais caro do Brasil neste momento. Os segmentos que foram privatizados não reduziram os preços. Pelo contrário. aumentaram. Então, se o discurso é: quero reduzir os preços, privatizar não é a saída. Então, o discurso é muito mais para criar uma cortina de fumaça”, disse Jager.
Procurada pelo Poder360 para falar sobre o comportamento dos preços dos combustíveis na Bahia depois de ter assumido a refinaria da Petrobras, a Acelen afirmou, em nota, que “os preços dos combustíveis produzidos na Refinaria de Mataripe seguem critérios de mercado que levam em consideração variáveis como custo do petróleo, que é adquirido a preços internacionais, dólar e frete, podendo variar para cima ou para baixo”.
A empresa disse que reafirma a sua crença “em uma política transparente, amparada por critérios técnicos, em consonância com as práticas internacionais de mercado”. (Fonte: https://www.poder360.com.br)

.

Comentários estão fechados.